Queridos, como vão? Hoje o papo é sobre resistência, porque ultimamente tenho falado muito comumente a frase: “Quem resiste, persiste.” A resistência de fazer grandes mudanças, de tentar o novo, de fazer coisas diferentes te permanecem no mesmo lugar. E ficar no mesmo lugar não te promove evolução.

Ao longo da vida, todo ser humano passa por crises. A grande maioria acha que consegue passar por elas sozinho. E pode até ser que algumas delas podem ter passado sozinho, mas posso quase que afirmar que houve pouco ou quase nenhum crescimento pessoal. Mas, como tudo na vida, não dá para generalizar.

Eu que trabalho com desenvolvimento humano, percebo a resistência em inúmeras situações. Aquele pessoa que marca a primeira sessão e desmarca no dia (isso é super comum). O outro que sabe que seu processo precisa dar uma guinada, e resiste em dar passos diferentes dos que têm dado. A pessoa já tem consciência mas NÃO consegue fazer diferente. E para ter resultados diferentes, não adianta fazer as mesmas coisas.

E não precisa ser no meu trabalho. Você já não teve uma pessoa que tem uma doença e que a solução por exemplo seria ir no médico X e fazer o procedimento Y? A pessoa não ouve e nem sequer experimenta alguma sugestão diferente do que tem já feito anteriormente, acha que não há solução. E para tudo há solução! TUDOOOOOOO!

Quais as desvantagens de se submeter a resistência?
Infelizmente a resistência é embasada em inúmeras justificativas racionais, que se a gente for ver, pode fazer um baita sentido. Porém, se você for ver profundamente o que está por de trás da resistência é um MEDO gigantesco de mudar, medo do desconhecido. As oportunidades passam a todo momento como presentes do Universo, e escolhemos ficar na zona de (des)conforto. Sabe por quê? Porque temos medo de encontrar nosso verdadeiro Eu e assumir a potência que somos. Já Nelson Mandala disse:

“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados. Nosso medo mais profundo é que somos poderosos além de qualquer medida. É a nossa luz, não as nossas trevas, o que mais nos apavora. Nós nos perguntamos: Quem sou eu para ser Brilhante, Maravilhoso, Talentoso e Fabuloso?

Na realidade, quem é você para não ser? Você é filho do Universo. Se fazer pequeno não ajuda o mundo. Não há iluminação em se encolher, para que os outros não se sintam inseguros quando estão perto de você.

Nascemos para manifestar a glória do Universo que está dentro de nós. Não está apenas em um de nós: está em todos nós. E conforme deixamos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo. E conforme nos libertamos do nosso medo, nossa presença, automaticamente, libera os outros.”

Não é lindo? Além do mais, quando nos abrimos para as oportunidades-presentes que recebemos do Universo, a vida se enche de sentido, e começamos a fazer conexões mágicas. Ganha-se muito, afinal abrimos a porta. Abertura é expansão. Expanda-se! Lembre-se quem você é. Isso é evoluir! E não viemos para a vida se não for para crescermos como indivíduos, não? Pense a respeito! Quantos nãos você já deu para sua vida? Chega de não! Agora é SIM! Vem comigo! Beijos, Patricia.