Olá amados, ninguém gosta de ficar doente, imagina doenças que chegam a perdurar a ponto da pessoa dizer eu estou doente. Quando percebemos que perdemos o controle de nossa saúde, nos sentimos frágeis ou vulneráveis, como prefiro dizer. E como tendemos a querer ter controle sobre tudo, o sofrimento é grande. Por isso, primeiro, devemos aceitar a doença, seja ela qual for. Pode ser gripes reincidentes até doenças mais graves, como o câncer. Render-se a doença. Neste caso, não quero dizer se entregar a ela, mas é aceitá-la e parar de brigar com ela. Percebo muito esse processo em mim e em pessoas que eu atendo, quando ficam muito chateados quando percebem que estão doentes. Em casos mais graves até apresentam medo e um preocupação excessiva.

Ter esses sentimentos faz parte. O problema é quando esse processo é prolongado a ponto de poder prejudicar ainda mais o quadro. Afinal, tudo que resiste, persiste. Então é se jogar no fluxo e  tentar entender o que a doença está te trazendo de informação, em vez de brigar com ela.

Como assim a doença ser uma benção?

Acabei de falar que a doença traz uma informação que não estamos conseguindo enxergar. Ao longo da vida temos experiências que vamos construindo a nossa própria identidade. Posso significar as vivências como positivas, trazendo um valor de identidade positiva. Ou ao contrário, tendo uma identidade negativa ao meu respeito. Se isso acontecer, aumentam a chances da doença aparecer.

Infelizmente as pessoas não conseguem ver a doença como um sinal de algo que você não está enxergando. Vão lá, tomam um remédio e tocam a vida. Depois a doença volta, e continuam com essa dinâmica. Até que depois as doenças tornam-se crônicas silenciosamente. E se o orgão literalmente ficar doente depois de tantas doenças e remédios que tendem a piorar globalmente o corpo, pronto! Aí, teremos um problema pior. Porque, segundo a Antroposofia, o orgão afetado abre as portas para as forças do mesmo invadirem a psique da pessoa, desencadeando o transtorno mental. Antes o que era físico, passa a ser emocional também.

Portanto, não há outro caminho. Primeiro, aceite a doença. Segundo, pergunte o que a doença está te trazendo como informação sobre você mesmo. Terceiro, vá em busca de sua cura, seja ela física e o que ela representa para sua evolução. Exemplo: você pode ter faringites recorrentes. Quantos sapos você está engolindo? Você tem se magoado com alguém? O que você está deixando de comunicar para o mundo ou para as pessoas? Você está expressando seu potencial? Enfim, somente um exemplo para elucidar o que a doença quer te mostrar mas que você ainda não está conseguindo ver e fazer. E quando você consegue transcender a doença, os ganhos na vida são enormes. Atendo pacientes oncológicos e é lindo ouvir quando eles mesmos reconhecem o que a doença veio mostrar e tamanho crescimento que tiveram!

Se você ficar muito doente e não conseguir ver o que a doença está te mostrando, busque processos de autoconhecimento. Conte comigo! Saúde, tim tim, Patricia.