Patricia Figueiredo:
Psicóloga Antroposófica

Obrigada por visitar meu site!

Sou especializada em Psicologia Antroposófica e Terapia Transpessoal, com formação em PNL e Renascimento e Terapias Integradas de Respiração.

Aqui você pode conhecer mais sobre meu trabalho e entender como posso lhe ajudar.

Saiba mais sobre mim!

Quando procurar um psicólogo?

Existem diversas doenças em que o psicólogo pode ajudar. As principais são:

Os motivos que levam ao desenvolvimento de doenças psicológicas são muitos. Estas situações geram transtornos diversos.
São crises pessoais e coletivas que desestabilizam o nosso emocional. Em caso de dificuldade com as situações listadas abaixo, procure ajuda de um profissional.

Você sabia?

  • O Brasil tem o maior número de casos de depressão na América Latina e o segundo maior nas Américas. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 30% das pessoas em todo o mundo apresentam algum transtorno de ansiedade.
  • A taxa de suicídio em jovens aumentou 10% desde 2002.
  • Sua saúde e integridade mentais devem ser prioridade! Cuide-se!

Testemunhos

“Admiro sua percepção do mundo e a forma como você o traduz. Admiro a escolha das palavras acolhedoras. Acho lindo como você encara nosso lado sombrio, tornando o sombrio algo suave e construtivo. Mas algo fica no topo: eu admiro a sua empatia. Não é uma empatia qualquer! Algo mágico acontece contigo que você acessa o outro, e consegue através de gestos e palavras , elevar não só a si, mas também quem está a sua volta para um outro patamar.”

M.M. - 32 anos
“Patricia é decidida, firme e sabe se colocar. Tem uma capacidade de comunicar com clareza, com uma delicadeza eficiente para apontar uma falha, que pode doer mas que é motivador. Tem uma sensibilidade de captar o sentimento que está escondido na fala. É muito amada e carinhosa!”
S.P. - 67 anos

“Admiro a sua atenção, percepção e presença quando interage com os outros. Sempre me pareceu que seu “HD” era bem eficiente para lembrar de tuuudo e usar na hora certa, da melhor forma. Conseguia conectar eventos e perceber linhas gerais com questões que eu trazia no presente, conseguia identificar qual seria uma boa dinâmica para lidar com meu problema. Sentia você muito conectada consigo mesma, com seu corpo, suas sensações, e sempre atenta ao que isso significava.”

L.B.T. - 29 anos